Carrossel_MagicKingdom

Disney com filhos pequenos

Quando decidimos levar nossos filhos de 2 e 3 anos à Disney, vários amigos nos chamaram de loucos. O conselho que mais ouvimos é que devíamos esperar um pouco mais, até eles poderem entender e curtir melhor a experiência.

Teimosos, arriscamos. E voltamos com dois argumentos para convencer quem está vivendo a mesma indecisão. O primeiro é que sim, os parques têm infra-estrutura e atrações para cada faixa etária, de bebê a idoso. É só adaptar o roteiro para a idade da sua trupe.

O segundo é que não, a Disney não é o tipo de experiência que precisa ser “entendida”. Pelo contrário: o grande barato das crianças pequenas é que elas entram inteiramente no mundo da fantasia. Enquanto você fica olhando para o trilho do carrinho e se perguntando como ele corre dentro da água, ou comentando como os movimentos dos bonecos são perfeitos, elas estão lá, totalmente imersas em um reino mágico onde os passarinhos cantam, os elefantes voam, as princesas, sereias e piratas saem dos livros, e Mickey e seus amigos aparecem a qualquer momento (bem maiores que na televisão!) dando sorrisos, abraços e hi-five.

 

Toca aqui O grande barato da Disney para os pequenos é que entram na fantasia ao encontrar personagens que dão abraços e hi-five (no caso do Pluto, hi-three)
Toca aqui! O grande barato é que os pequenos entram na fantasia ao encontrar personagens que dão abraços e hi-five – no caso do Pluto, hi-three :-)

 

Foi cansativo? Sem dúvida. Chegávamos no hotel loucos para cair na cama (filhos e pais). Mas existe coisa mais gostosa do que um sono profundo depois de um dia cheio de diversão, risadas e muito (muito mesmo!) gasto de energia?

A seguir, compartilhamos algumas dicas para facilitar a vida de outras famílias que pretendem encarar a maratona:

1. Planeje (e esteja aberto para mudar os planos)
 Os parques são enormes e as atividades são tantas que, sem planejamento, você fica perdido. Isso vale para qualquer um, mas é ainda mais importante com criança pequena. O site novo da Disney ajuda muito nessa preparação. Além de fotos e informações sobre tudo que existe dentro do complexo, permite fazer reserva, montar seu itinerário e criar um mapa otimizado onde aparecem apenas as suas escolhas. Além disso, dá para marcar o FastPass+ (o famoso fura-fila da Disney) que é f-u-n-d-a-m-e-n-t-a-l para evitar chiliques na espera das atrações mais populares. Você tem direito a três brinquedos por dia, por isso tem de se organizar muito bem para fazer boas escolhas e conseguir chegar lá no horário marcado. Mas atenção: tão importante quanto todo planejamento é ter abertura para adaptar o roteiro caso variáveis como sono, fome, chuva ou dor de barriga exigirem. Jogo de cintura está no capítulo 1 da cartilha de pais, certo?

 

Ritmo lento Nada de maratona. Com crianças, menos - e várias vezes - é a pedida
No ritmo deles Com crianças, nada de maratona, o passeio acontece mais lento. Menos – e várias vezes – é a pedida

 

2. Mapeie as atrações
As atrações que agradam os pequeninhos não são necessariamente as mais populares (sorte sua, menos filas!). Mas justamente por serem menos óbvias, exigem de você um trabalho prévio de mapeamento. Comece pelo site oficial (veja na dica acima) e depois vá refinando a lista a partir das dicas de amigos, blogs, fóruns online e, principalmente, das preferências da sua família. Aqui em casa, por exemplo, o pessoal adora circo. Então reservamos um bocado de tempo para o Storybook Circus – uma área com inspiração circense criada em volta do Dumbo, o elefante voador. Outra paixão dos nossos filhos são os bichos. Por isso passamos um longo e delicioso dia no Animal Kingdom – talvez o melhor de todos.

 

Béééjinho O parque Animal Kingdom é um dos mais interessantes do complexo para crianças com até 3 anos
Béééjinho O parque Animal Kingdom é um dos mais interessantes do complexo para crianças com até 3 anos

 

3. Less is more
Este ditado tão popular entre os americanos faz ainda mais sentido quando se trata de crianças pequenas. Para elas, mais vale ir a cinco ou seis atrações (e repetir váaarias vezes aquela que, para você, parece a mais bobinha) do que passar correndo por dez. Pense como é na sua casa: seus filhos não pedem para você ler dezenas de vezes o mesmo livro? Pois então, a mesma lógica vale aqui.

4. Faça chuva ou faça sol
Apesar de muitas das atrações serem em locais fechados, você vai caminhar sempre ao ar livre para ir de um lugar para o outro. Portanto, prepare-se para todas as previsões (e imprevistos) de tempo. Em geral, a Flórida é muito quente e úmida. Não deixe de levar boné, protetor solar e capa de chuva, além de garrafinhas de água para toda a família (tem bebedor em todo canto, mas se você não tiver uma garrafa à mão vai acabar esquecendo deles). Guarda-chuva é sempre um pouco incômodo, mas torna-se obrigatório se você é daqueles que não gosta da capa de chuva grudando no braço. Outro acessório que para nós foi fundamental é uma canga ou lenço para cobrir o carrinho, caso o sol esteja muito forte e a capota não dê conta de fazer sombra. Sem falar na toalha e roupa extra, para o caso de eles se empolgarem com os brinquedos de água.

 

É o Nemo? A criançada adora água! Tenha toalhas à mão quando encontrarem um chafariz pela frente
Virando Nemo A criançada adora água! Tenha toalhas à mão quando encontrarem um chafariz pela frente

 

5. Carrinho, seu melhor amigo
Mesmo que seus filhos não usem mais carrinho no dia a dia, dessa vez ele pode ser seu grande aliado. Na Disney, tudo é feito a pé, e qualquer adulto estará cansado para carregar um guri no cangote quando a bateria dele acabar. Por US$ 15, é possível alugar um carrinho por lá. Mas como você vai precisar dele por vários dias, acaba valendo mais a pena levar o seu – ou então comprar um no Target ou Babies R Us mais próximo. Se quiser tirar a dúvida se as crianças aguentam ou não, faça um teste antes de viajar: passe uma manhã caminhando no parque, e emende com algumas voltas a pé pelo bairro. Se reclamarem, sinal vermelho. Outra vantagem dos carrinhos é que dá para guardar toda a tranqueira da molecada: garrafinha de água, roupas extras, lenços umedecidos, comida etc..

6. Reduza a expectativa
Certa vez, ouvimos de um guru indiano que a expectativa é o primeiro passo para a frustração. Leve essa pequena sabedoria na sua mochila, e sua viagem certamente será mais feliz. A Disney é realmente um sonho, uma delícia de passeio para a família. Mas se você chega cheio de ansiedade, esperando que tudo aconteça exatamente como sonhou, existe uma chance grande de ficar insatisfeito. Melhor relaxar, e se deixar surpreender.

Temos ainda mais dicas! Veja aqui onde se hospedar com crianças pequenas em Orlando e como alimentá-las de forma mais saudável dentro dos parques Disney.

Imagens: Tours Departing Daily/Creative Commons, Ferdinando Casagrande e Priscila Ramalho

Sobre Ferdinando Casagrande e Priscila Ramalho

Priscila já passou tanto tempo com uma mochila nas costas que hoje tem duas sequelas: um tantinho de cifose e uma facilidade enorme de se sentir em casa em qualquer canto do mundo. Ao lado do Ferdi, foi de São Paulo à África, passou pelo Rio de Janeiro e atualmente vive em Nova York. Há alguns anos, eles ganharam companheiros de estrada, dois pequenos exploradores, cada um com sua mochilinha (de rodinha, afinal, aprende-se com os erros!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *